domingo, 20 de outubro de 2019

Americanah, de Chimamanda Ngozi Adichie

Quando eu ganhei o livro da Laura, no meu aniversário de 25 anos, fiquei muito animada para começar a leitura. No entanto, como a lista de livros não lidos é interminável, só consegui conhecer a história de Ifemelu há algumas semanas - e confesso que ainda estou apegada. O olhar de Chimamanda para a sociedade - e seus preconceitos, é certeiro, assim como a construção de seus personagens que nos cativam logo no início da narrativa.

Dessa vez, não quero resenhar esta história de amor ambientada entre três países: Nigéria, Estados Unidos e Inglaterra, porque somente a ínfima ideia de não fazer juz à narrativa já me preocupa. É sério, leitores. Se eu pudesse indicar um único livro para vocês, seria este romance.

Mas aqui vai um breve resumo, brevíssimo: Ifemelu é uma jovem nigeriana que faz universidade em Lagos, capital da Nigéria nos anos 90. Ela e seu namorado, Obinze, vivem tempos sombrios no país, devido ao regime militar vigente. Em decorrência disso, a instituição onde estudam entra em greve constantemente, o que faz Ifem pensar em outras alternativas para concluir sua graduação. É a partir desta situação que ela vai morar nos Estados Unidos e se depara, pela primeira vez, com a questão racial, além da imigração e da desigualdade de gênero. Suas experiências são compartilhadas em um blog que posteriormente será de grande sucesso - e que possibilitará a Ifem descobrir-se em um lugar onde as dificuldades são multiplicadas pelo racismo - e a solidão torna-se companheira constante. 

Leiam. Apenas leiam.

2 comentários: