terça-feira, 29 de janeiro de 2019

Não é bem assim


O sorriso que mostra dentes perfeitamente alinhados, mascara a depressão.

O registro fotográfico feito naquela linda paisagem natural, destoa do quarto bagunçado e sombrio em que ele passa todas as noites.

A prosa quase poética, com pontuações meticulosamente bem colocadas, não narra a discussão que minutos antes dois amantes traçaram.

Brincamos de esconde-esconde o tempo todo. Até para os mais próximos, aqueles que conhecem nosso calcanhar. Somos bons em esconder a nossa dor. A tal ponto, que quando queremos senti-la, simplesmente porque há tempo e solidão, temos dificuldade em encontrá-la.

No entanto, se revirar do avesso pode ser perigoso. Quem é que suportaria estar ao lado de tamanha tragédia? Quem aguentaria a ausência plena dos disfarces tão comuns em nossas vidas? Do “boa noite” ao “bom dia”, há um abismo. Estou certa de que manter as aparências é uma forma de desviar a atenção do vazio que habita em nós.

2 comentários:

  1. Oi Ana! Descobri seu blog a alguns dias e estou acompanhando desde então. Eu amei, é uma bela inspiração. Bjs

    ResponderExcluir