quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Assimetria

Considero-me uma pessoa reservada desde que me conheço por gente. Por um certo tempo, isso foi confundido com timidez e nunca fiz questão de desfazer o mal entendido. Mas não é por acaso que encontro o meu refúgio nas palavras. 

A questão é:

Recebi um julgamento a respeito da minha forma de amar. Aos olhos dela, não retribuo como deveria o amor que recebo. De acordo com a sua vivência e suas concepções acerca de declarações de afeto, não correspondo com o mesmo entusiasmo. Perto dele, amo menos. 

Afinal, não vejo meus amigos e colegas como possíveis integrantes de uma plateia ansiosa, ávida por visualizar troca de elogios nas redes sociais, sorrisos entre os corredores, qualquer ato para alimentar a curiosidade alheia. Por conhecê-los tão bem e a recíproca ser verdadeira, sei que jamais serei questionada sobre meus atos ou a ausência deles - mas isso não é garantido por quem me vê ocasionalmente ou sabe apenas que me chamo Ana Polo.

De fato, a tese de que sou uma pessoa reservada foi confirmada pela minha abstenção em realizar as atividades citadas acima. A balança está em desequilíbrio: amo menos. E agora?

Bom, se me importei com esse entendimento por dois minutos, foi muito. Meu amor deve ser percebido e sentido por quem escolhi amar. Não cabe a mim justificar se amo e porque amo. Da mesma forma, não cabe a ninguém julgar como demonstro esse amor. 

Para ele, eu escrevo. Para ele, dediquei o que há de melhor em mim. Enquanto ele ler e se sentir amado, continuarei escrevendo, perpetuando nosso infinito particular. Assim, quando formos mais velhos, ainda que nossos verbos, por algum motivo não forem mais conjugados no plural, todos os versos estarão ali para lembrarmos que nossa estória aconteceu, que esse amor existiu.

Mas se você me ler (texto e pessoa) e não enxergar nada disso, tudo bem. Um dia, você entenderá que o amor está nos detalhes. Um dia, você me verá sorrindo, sem motivo algum - e quem sabe, concluirá sabiamente, que estava pensando nele e em um novo texto para o meu leitor favorito...

Um comentário: